quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Insaciedade

Após a espera,
Após a paixão,
Após o tesão,
e após falhar inúmeras vezes
querendo fugir desse querer,
finalmente o beijo, o toque, o contato,
a respiração no pé do ouvido,
os corpos grudados,
um desejo, enfim, suprido...

Ao menos era essa a ideia.

Mas os lábios, abraços, saliva,
não foram suficientes,
e só serviram pra despertar mais vontade​.

Meu corpo contra o seu,
o beijo violento,
que parecia querer me devorar,
sua língua na minha,
me dando ideias,
despertando fantasias...
o lugar proibido
instigando a libido...

Esqueço a razão,
Esqueço quem sou,
inebriada por seu hálito provocante
e seu falso ar inocente,
que me deixam doida,
babando, sem rumo,
implorando um pouco mais do seu sabor.

Dê-me sua língua, sua boca, seu corpo,
pois de mim você já tem o que quiser.
Estou entregue ao seu jogo,
entorpecida no seu charme de mulher.

Passe em casa

Na noite passada
você me ligou,
achei estranho não mandar mensagem.
Disse que estava num bar aqui perto,
só de passagem,
e que, pra não passar vontade,
talvez passasse aqui.
Nem lembro que hora era,
mas respondi: "pode vir!".

Ao chegar não disse nada,
apenas beijou-me
com sua boca esfomeada,
elevando em mim o apetite.
De repente, a casa inteira
encheu-se com a sua presença,
com a fumaça do seu cigarro
impregnada nas cortinas
e seus gemidos ecoando pelos vãos silenciosos.
Naquele instante, o mundo podia ser nosso.

Mas dois cigarros depois,
com a fome já saciada,
beijou-me com carinho,
se dizendo cansada
e simplesmente se foi.

Eu, que sou gulosa,
demorei a dormir.
Ainda queria mais
(Eu sempre quero mais).
Mas a vida não nos deu asas
para nos trancarmos em gaiolas.
Se tem asas, é natural que você voe.
Se tenho asas, tenho mais é que voar.

Aceito a despedida
sob a chama de um careta,
Acalmo meu corpo
pra que a alma não enlouqueça.

E assim, espero o sono chegar,
pois amanhã é outro dia,
um novo dia pra voar.
Vamos nos ver novamente
e novos voos alçar.
Mas se a vontade apetar,
Você sabe onde passar.


domingo, 19 de novembro de 2017

Inadequado

Da poesia que só aflora de um coração em farrapos
tento refazer meus pedaços,
sobrevivendo de versos mal rimados.

Você partiu e eu fiquei.

Você era a luz que iluminava meus dias,
até aquela despedida.
Você era perfeita pra mim, mas eu
já não cabia em sua vida.

Receio

Não é segredo que te quero,
já não consigo disfarçar o meu desejo.
Me pego lembrando de pequenos gestos,
do jeito que você mexe no cabelo,
dos olhares tímidos que dirige a mim
quando pensa que não estou vendo,
do seu sorriso sem jeito
quando eu te deixo sem graça...

Não seria difícil eu me perder nessa ilusão
Porque você tem esse misto
de doçura e sedução
e o seu sorriso delicado, sua voz suave,
afastam de mim as dores de outras vidas.

Receio ao pensar até onde essa paixão me levaria
Porque você me faz rever alguns conceitos,
Me faz gostar até dos seus defeitos,
e por isso tenho medo.

Prefiro ficar na minha.

O amor da minha vida

Bruna tinha o sorriso,
Maria tinha o olhar,
Clara gostava de filmes,
Paula de viajar...
Procurei em todas elas uma forma de ser feliz.
Ana contava histórias,
Lara sabia ouvir...
Amei-as por igual, cada uma do seu jeito,
como amei a tantas outras.
Mas aquilo que eu buscava
ainda faltava em meu peito.
A vida me mostrou,
aos poucos e sem destreza,
que o amor da minha vida
só podia ser eu mesma.

Efêmero


Compreendi com muito esforço
que o amor não pode agregar a ideia de pertencimento.
O amor é um sentimento efêmero,
ele aflora, se edifica,
nos fortalece e modifica.
Mas o amor também muda,
acaba, se transforma.
E a alegria e plenitude daquele sentimento tão perfeito
se convertem em uma dor dilacerante
que nos rasga a alma e estraçalha o peito.
Mas o problema não é o amor, é o conceito.
O amor não é como a gente viu
nas histórias que o cinema nos contava.
O amor não é ser, o amor é estar.

Mentira

Mentira se eu negar o meu desejo,
mentira se eu lhe negar da boca o beijo
quando o corpo me estremece de paixão
e nem consigo disfarçar a emoção.

Mentira se eu disser que eu não ligo,
que não ouvi soar o alarme de perigo
quando pra mim o seu sorriso se ascendeu.

Mentira se eu disser que é pra sempre
e que sei como vai ser daqui pra frente.
Só sei que sem você o meu tempo já não passa
e que vivo a lamentar minha desgraça.

Mentira se eu disser que ainda minto,
se eu tentar negar o que eu sinto.

Mentira se eu disser que não me envolvo,
que não senti-me encher de algo novo
e que não ando a sonhar com o beijo seu.

Mentira se eu disser que não foi nada,
mentira se eu disser que estou bem.
Mentira e admito, envergonhada,
que me entrego sem pensar no que convém.

Sou uma romântica incurável
e me perco no seu charme de mulher.
Eu sou uma romântica incurável,
especialista em querer quem não me quer.